Empresas também declaram Imposto de Renda? Veja prazos e regras

BLOG | 09/05/2024 | | < Voltar

Dia 31 de maio é o prazo para a entrega da declaração de Imposto de Renda para Pessoas Físicas no Brasil. Mas a versão do imposto para empresas também é uma fonte importante de receita para o Governo Federal. Segundo dados divulgados pela Receita Federal, a arrecadação do Imposto de Renda para Pessoas Jurídicas (IRPJ) e da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), que incide sobre o lucro das empresas, somou R$ 91,7 bilhões em janeiro, com aumento real de 1,24% sobre o mesmo mês de 2023. 

O Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) é um tributo aplicável às empresas e outras entidades que exercem atividades com fins lucrativos no Brasil, e incide  sobre o lucro obtido pelas atividades econômicas. Ele funciona de forma semelhante ao Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), mas tem algumas diferenças importantes em relação à base de cálculo e às alíquotas. O prazo para a declaração anual é dia 31 de julho. 

Segundo Graziele França, especialista contábil da WK, especializada em ERP e gestão empresarial, o IRPJ apresenta regras diferentes para cada categoria de empresa registrada no Brasil, de acordo com seu faturamento e existência de sócios e funcionários. O pagamento pode ser feito em momentos distintos (por mês, por trimestre, por ano ou por evento), de acordo com as regras de legislação e com a estratégia contábil/fiscal de cada uma delas. “Existem negócios que dependem de sazonalidade. Uma empresa produtora de sorvetes, por exemplo, pode vender milhões durante o verão e ter prejuízo no inverno. Por isso, existe a opção de adequar os impostos de acordo com a melhor opção para elas”, explica. No entanto, o cálculo para a declaração de IRPJ é mais complexo dependendo do porte. 

Graziele explica algumas especificidades:

Base de Cálculo: A base de cálculo do IRPJ é o lucro real, presumido ou arbitrado da empresa, dependendo do regime tributário adotado. O lucro real é apurado pela receita total da empresa menos as despesas, custos e encargos necessários para a atividade, além de ajustes ao lucro conforme regras da legislação. No regime do lucro presumido, utiliza-se uma margem de lucro presumida sobre a receita bruta para determinar a base de cálculo. No regime do lucro arbitrado, a base de cálculo é determinada pela autoridade tributária.

Alíquotas: As alíquotas do IRPJ podem variar de acordo com o regime tributário e o tipo de atividade da empresa. No lucro real, a alíquota básica é de 15% sobre o lucro tributável, podendo ser acrescida de adicional de IRPJ de 10% sobre a parcela do lucro que exceder R$20 mil por mês. No lucro presumido, as alíquotas são fixas e variam de acordo com a atividade econômica da empresa.

Pagamento e Declaração: O IRPJ é pago mensalmente ou trimestralmente, dependendo do regime tributário da empresa. Além disso, é necessário fazer a declaração anual do IRPJ (Escrituração Contábil Fiscal – ECF) com base no balanço patrimonial e demonstrações de resultados. A declaração é enviada à Receita Federal dentro do prazo estabelecido.

Planejamento Tributário: É importante que as empresas façam um planejamento tributário adequado para escolher o regime mais vantajoso em termos de carga tributária e simplificação de obrigações acessórias.

E para MEI, como funciona?

Segundo dados de 2021, o Brasil tem cerca de 13,2 milhões de trabalhadores MEIs, sendo que mais da metade deles (53%) foi aberta desde 2020. Para esses profissionais, que representam  quase 70% das empresas em atividade no Brasil, a data da entrega da declaração de Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual (DASN-SIMEI) coincide com o Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). Este ano, o prazo é dia 31 de maio. 

“A categoria MEI é um caso muito específico quando falamos de Imposto de Renda para empresas. Como a empresa não tem um quadro societário que responda pelo seu faturamento, ele impacta diretamente no cálculo de imposto a pagar como Pessoa Física. Por isso, o prazo das duas declarações é o mesmo”, afirma Graziele. 

Como seu limite de faturamento anual é bem mais restrito do que as outras categorias (máximo de R$81 mil anual), o MEI é o único tipo empresarial que possui um sistema exclusivo de recolhimento de impostos com valores fixos dentro do Simples Nacional: o SIMEI. Mensalmente, o microempreendedor individual paga um DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional). 

Sobre a WK:

A WK desenvolve um software de gestão empresarial (ERP) 100% integrado e com foco na autonomia dos usuários. Fundada em 1984, foi uma das empresas pioneiras em inovação em Blumenau (SC). Hoje, especialista na área contábil e fiscal, possui mais de 100 mil cópias comercializadas em todo o país, mais de 60 canais ativos, mais de 7 mil empresas usuárias da solução em todo o país e um time com cerca de mil pessoas envolvidas.

Seu principal produto é o WK Radar, uma solução de ponta a ponta que integra todas as áreas da empresa: vendas, finanças, materiais, produção, custos, serviços, controladoria, RH, BI e qualidade, sendo adaptável às necessidades e à realidade de empresas de diversos segmentos e portes. O software inova pela eficiência de resultados, usabilidade das ferramentas e aderência a projetos, focando no empoderamento do usuário para que ele tenha capacidade para atender suas próprias demandas, simplificando o seu dia a dia.

Comentários